Por muito tempo, o know-how e a intuição dos líderes é que baseavam as tomadas de decisão nas empresas. Esse padrão foi reproduzido até surgir o conceito de Business Intelligence

Você sabe o que significa Business Intelligence e para que serve esse conjunto de estratégias? 

Acompanhe este guia que preparamos especialmente para você e fique por dentro dos seguintes assuntos. 

  • Business Intelligence: o que é e qual a finalidade;
  • Conheça os 3 pilares do Business Intelligence
  • Quais ganhos o Business Intelligence traz para as empresas;
  • Business Intelligence, gestão de riscos e Big Data: qual a relação entre eles;
  • 3 passos para implementar o Business Intelligence em um negócio. 

Vamos desbravar esses tópicos juntos? Então, siga com a gente! 

Business Intelligence: o que é e qual a finalidade

Business Intelligence (BI) — em português, Inteligência de Negócios — é um conceito que foi se tornando popular a partir da década de 1990. 

Diante de um mercado cada vez mais competitivo e com o avanço rápido de novas tecnologias, repensar as tomadas de atitude tornou-se imprescindível. 

Afinal, contar apenas com a experiência acumulada e o feeling dos líderes já não bastava para o sucesso das organizações.

Obviamente o conhecimento e os dados reunidos durante muito tempo contribuíram para a criação de estratégias de negócio mais eficazes.  

Porém, as opções por caminhos a serem seguidos dentro das empresas aos poucos foram deixando de se basear apenas na “intuição do chefe”, passando a ser mais precisas e mensuráveis.

E a todo o conhecimento e às ideias que formaram esse processo damos o nome de Business Intelligence.

De maneira bem sucinta, podemos dizer que Business Intelligence pode ser entendida como um processo de transformação (e aprimoramento) de conhecimentos acumulados ao longo do tempo em informações relevantes para a gestão de negócios.

Business Intelligence diz respeito ainda a um conjunto de recursos que possibilita levantar, organizar, analisar, acompanhar e compartilhar as informações que darão suporte às escolhas dos líderes frente aos empreendimentos.  

Dessa forma, é possível trabalhar com uma grande quantidade de dados, que deverão ser estruturados de forma a identificar e desenvolver boas estratégias de negócio. 

Vale destacar que a interpretação de dados é uma característica marcante da Business Intelligence

Com o apoio dela, os planejamentos da organização se tornam mais confiáveis e o negócio, consequentemente, mais equilibrado a longo prazo.  

As principais aplicações da Business Intelligence são:

  • Geração de relatórios;
  • Análises on-line de diversas situações que fazem parte do dia a dia da empresa;
  • Auxílio na identificação de perdas no sistema;
  • Visão 360º da empresa;. 
  • Gerenciamento do desempenho do negócio.

Lançando mão das ferramentas de Business Intelligence, é possível visualizar tanto o histórico das operações já realizadas quanto a situação atual do negócio e, de quebra, ter um panorama de possíveis resultados futuros

Para finalizar este tópico, é importante destacar que a Business Intelligence pode auxiliar vários processos na empresa — desde operacionais, como a precificação de produtos e serviços, a estratégicos, como a elaboração de objetivos para os períodos à frente.

Conheça os 3 pilares do Business Intelligence

Com o que apresentamos até aqui, podemos entender que um dos principais objetivos da Business Intelligence refere-se a ela disponibilizar informações confiáveis para quem tem o poder de tomar decisões. 

Essas informações devem chegar às mãos de gestores e líderes periodicamente para um acompanhamento sistemático e sempre que houver necessidade de uma análise pontual. 

O suporte da Business Intelligence permite à empresa uma interpretação mais aprimorada de dados e informações de forma a enxergar com mais facilidade riscos e oportunidades

Dessa forma, fica mais fácil tomar providências a tempo, evitando que a companhia sofra prejuízos irreversíveis. 

Para ordenar as informações que serão computadas, a Business Intelligence se baseia em três pilares importantes. Vamos conhecê-los a partir de agora.   

1 – Coleta de dados

O princípio básico da geração de informações é a coleta de dados. 

No processo de coletar dados, cada dado deve ser analisado para identificar e determinar alguns fatores que são fundamentais para o funcionamento da organização, considerando os objetivos da companhia. 

Desses fatores, podemos destacar: produtividade, oportunidades, riscos, obstáculos e posicionamento da marca no mercado. 

2 – Organização e análise

Depois de os dados terem sido coletados e reunidos em um banco específico, eles devem ser organizados para facilitar a análise de cada um.

Feito isso, as informações podem ser apresentadas em forma de gráficos, relatórios e planilhas eletrônicas

3 – Monitoramento e ação

Uma vez coletados os dados, as informações geradas devem ser repassadas aos responsáveis pelas tomadas de decisão.  

Depois disso, os resultados das ações das lideranças devem ser monitorados para verificar se a atuação dos líderes está sendo eficiente. 

Vale lembrar que a utilização de Business Intelligence deve ser encarada como uma prioridade. 

Isso porque os dados mudam muito depressa e a demora para apurar os resultados que dependem deles pode trazer prejuízos ao negócio

Além do mais, caso as informações da empresa não estejam atualizadas, aumenta a chance de tomar decisões precipitadas e sem critério, comprometendo o bom desempenho das tarefas. 

Quais ganhos o Business Intelligence traz para as empresas

É importante reforçar que, cada vez mais, líderes e gestores procuram se munir de informações confiáveis e consistentes antes de tomar qualquer decisão frente à empresa. 

E, nos dias de hoje, há uma quantidade enorme de dados que precisa ser interpretada para que a gestão de um negócio seja de fato eficiente.

Além de dados cadastrais e registros de compras, hoje em dia, é possível acompanhar os hábitos de consumo e as preferências dos clientes. 

Com uma estratégia de Business Intelligence bem-feita, essas informações trabalham a favor do gestor, na medida em que lhe permitem tomar decisões mais assertivas. 

Para entender melhor como aplicar as técnicas de Business Intelligence, vamos listar abaixo os principais dados armazenados pelas empresas. São eles:

  • Registros de vendas;
  • Escala de colaboradores;
  • Fluxo de caixa;
  • Feedback de clientes;
  • Dados do estoque.

Se, por um lado, essas informações contribuem para o controle dos processos da empresa, por outro, elas não influenciam muito as decisões estratégicas.

Mas, com uma ferramenta que reúna todas essas informações e um profissional que se dedique a interpretá-las, esses dados podem servir como inspiração a diferentes e valiosas estratégias. Dentre elas, destacamos: 

Boas inspirações com base no comportamento do consumidor 

Uma das principais vantagens de investir em Business Intelligence é a possibilidade de obter informações consistentes para analisar as atuais tendências de compras do seu público

A par dessas informações, fica mais fácil para a marca desenvolver produtos e serviços que vão ao encontro das necessidades e preferências dos clientes. 

Controle dos processos internos da empresa

Apostando em um bom sistema de Business Intelligence, dá para ter uma visão global e organizada da sua empresa, incluindo todos os processos que fazem parte da rotina e as áreas que precisam passar por melhorias. 

Por exemplo, você sabe dizer quem são os colaboradores mais eficientes da companhia? Qual setor precisa passar por melhorias? 

Se a resposta a pelo menos uma dessas perguntas foi “não”, é hora de reverter essa situação e melhorar o controle dos processos que acontecem diariamente na organização, né mesmo? 

E, para evitar muito desgaste, em vez de ter que acessar inúmeras informações para apurar essas questões, vale recorrer à Business Intelligence, que traz ganhos em produtividade e organização. 

Elaboração de melhores estratégias de marketing e vendas

Quem trabalha nas áreas de marketing e vendas geralmente busca a maior quantidade possível de informações sobre (potenciais) clientes. 

Afinal, é com base nesse conhecimento que serão traçadas estratégias para alcançar bons resultados e gerar vendas

Com sistemas de Business Intelligence, é possível coletar dados confiáveis que permitem estabelecer padrões de comportamento do público consumidor.

Dessa forma, as abordagens a ele — tanto no marketing como nas vendas — passam a ser realizadas com muito mais eficiência. 

Podemos dizer que, com Business Intelligence, as decisões de líderes e gestores se tornam mais assertivas, especialmente no que diz respeito a:

  • Faturamento sobre as vendas de produtos e serviços;
  • Produtividade do time;
  • Eficiência das campanhas de marketing nas redes sociais;
  • Posicionamento da marca no mercado. 

Através de sistemas de Business Intelligence, é possível alcançar ganhos também em: redução de custos, benchmarking, avaliação e correção de processos internos ineficientes e pesquisa de novas oportunidades de negócio. 

Business Intelligence, gestão de riscos e Big Data: qual a relação entre eles

Os conceitos de Business Intelligence e Big Data, apesar de diferentes, estão inseridos na transformação digital, que vem revolucionando a forma de as empresas operarem e se desenvolverem.

Mesmo que sejam distintos, eles podem se complementar e fazer com que organizações dos mais diversos segmentos alcancem resultados melhores. 

Vamos entender a diferença entre Big Data e Business Intelligence

Big Data é um conjunto de dados tão complexo e volumoso que um software simples de processamento de dados não consegue gerenciá-lo. 

O Big Data é importante porque o grande volume de dados pode ser usado para:

  • Antecipação às demandas dos clientes, criando produtos e serviços que os surpreendam;
  • Manutenção preditiva de equipamentos a partir da análise de dados estruturados, como marca, modelo e ano de fabricação dessas ferramentas;
  • Aprimoramento da experiência do cliente, na medida em que o Big Data reúne informações de mídias sociais, visitas da web e registros de outras fontes, possibilitando uma melhor interação com o público consumidor;
  • Diminuição de fraude e conformidade com a LGPD, porque o Big Data ajuda a identificar padrões em dados que indicam fraude;
  • Inovação é mais uma vantagem trazida pelo Big Data, pois, disponibilizando uma combinação de dados, ele permite desenvolver um novo olhar para questões financeiras, de planejamento, de desenvolvimento de produtos etc.

A Business Intelligence, por sua vez, surge como o próximo passo do Big Data

Dispondo dos dados estruturados, a BI ajuda a compreender a base de dados do negócio, orientando os líderes sobre as melhores estratégias a serem aplicadas. 

O Big Data e a Business Intelligence contribuem também para uma gestão de riscos mais assertiva, já que permite uma visão apurada das informações da empresa.

Essa perspectiva possibilita prever riscos financeiros, vulnerabilidades, gargalos e dá condições de reverter essas situações antes que elas virem uma bola de neve. 

3 passos para implementar o Business Intelligence em um negócio

Implementar uma estratégia de Business Intelligence exige o envolvimento de toda a equipe da empresa e essa implementação deve seguir estes três pontos elementares:

Contar com informações de qualidade

Para tomar decisões acertadas, é imprescindível ter informações de qualidade, pois, do contrário, a tomada de atitude pode não trazer os resultados esperados. 

Em razão disso, é preciso investir em uma boa governança de dados, de forma que o registro das informações seja feito com eficiência. 

Vale lembrar que esses dados devem ser acessíveis e fáceis de serem interpretados (obviamente para as pessoas autorizadas a lidar com eles). 

Ter objetivos bem-definidos

Para realizar uma boa análise de dados, os profissionais de Business Intelligence precisam saber quais são os objetivos da sua empresa e como eles se relacionam com as estratégias definidas.  

O porquê disso pode ser explicado com um exemplo. Imagine que você comece a trabalhar em uma nova companhia e, no primeiro dia, lhe entreguem uma pilha de documentos sem dizer nada.

Na certa você vai se sentir como se tivesse caído de paraquedas ali, não é verdade? O mesmo acontece com um analista de BI. 

Então, ele precisa ficar inteirado de todas as metas do seu empreendimento, especialmente de todos os pontos fracos e gargalos que devem ser otimizados com os processos de Business Intelligence

Fazer acontecer com o resultado da análise de dados

De que adianta fazer a análise de dados e não aplicar o resultado desse estudo nas tomadas de atitude? É importantíssimo começar a fazer mudanças na sua empresa a partir dessa avaliação.

Só assim será possível otimizar processos, resolver gaps e impulsionar a receita do negócio. 

Afinal, o objetivo primordial da análise de dados é promover uma melhoria contínua de resultados, não é mesmo?

E, como uma leitura sempre puxa outra, temos uma sugestão para você sobre um tema diretamente relacionado a Business Intelligence: segurança de dados. Não deixe de ler, hein? Até a próxima!