TEF: principais dúvidas sobre Transferência Eletrônica de Fundos

Talvez você não saiba o que é TEF, mas provavelmente já usou o serviço. A Transferência Eletrônica de Fundos é a responsável pela agilidade nas compras feitas por cartão. 

No texto de hoje, vamos responder às principais dúvidas sobre essa modalidade de transferência e vamos mostrar como a tecnologia tem criado uma nova solução de vendas. Vamos começar?

Como funciona o TEF?

O TEF é a venda através de transações financeiras feitas eletronicamente, de maneira segura e rápida. Toda vez que uma compra é feita com cartão, as informações ficam registradas automaticamente. 

Dessa forma, as transações, que passam por um tipo de “central”, são autorizadas e as informações de compra são integradas ao sistema de vendas da empresa.

O que é preciso fazer para implantar o sistema?

Dependendo do tipo de TEF que você escolher, as ferramentas necessárias para que o  sistema funcione podem mudar. 

Independente de transferência eletrônica, é preciso ter o software instalado na máquina e o PinPad, que é um dispositivo eletrônico para entrada de senhas. 

Existem profissionais que vão trabalhar para que o sistema funcione. A TEF house é a empresa que vai disponibilizar o software e as ferramentas para a comunicação com a operadora do cartão. 

A equipe integradora irá fornecer a automação e o suporte ao cliente. Depois disso, uma outra empresa negocia as taxas de transação.

Parece muita coisa, mas todas elas, geralmente, vêm juntas no pacote de serviços que você contratar. 

Quem pode ter esse programa?

Qualquer empreendedor, independente de ter pequenos ou grandes negócios, pode ter um serviço TEF. Para isso, basta aceitar compras feitas no cartão de débito ou crédito e seguir as instruções que demos no tópico anterior. 

O que muda, dependendo do fluxo financeiro da empresa, é o tipo de TEF que vai ser adotado. Sabendo ao certo qual é sua frequência de vendas, fica mais fácil escolher. 

E quais são os tipos de TEF?

O tipo de TEF mais antigo é o TEF discado. Nele, a comunicação com a operadora do cartão era feita através do telefone e o software era conectado a computadores e ao PinPad.  

Esse TEF funcionava bem para pequenos e médios negócios, porém ele não existe mais, dando espaço a modelos mais modernos. 

O modelo dedicado usa as mesmas ferramentas do discado, só que a conexão é feita por uma linha especial. 

Essa linha permanece conectada à operadora de cartão 24 horas por dia, através das redes virtuais privadas (VPN), sendo ideal para empresas com fluxo intenso de vendas por cartão.

O mais veloz de todos é TEF IP. Ele também utiliza a comunicação por VPN mas a conexão entre a operadora e a empresa é feita por protocolos IP.

Com as informações financeiras direto na internet, o processo de autorização do pagamento sai ainda mais rápido. 

Vale a pena, financeiramente, manter um TEF?

Se você tiver um fluxo grande de pagamentos feitos em cartão, vale a pena sim ter um TEF. O valor pago para manter o TEF depende da operadora do sistema, mas veja como um investimento. 

Além de não ser tão mais caro que máquina normal do cartão, o TEF diminui as vendas com valores incorretos.

Por ser um sistema diretamente ligado ao software de gestão do estabelecimento, o TEF não permite que sejam cobrados valores diferentes do valor total da compra.

Às vezes, por falta de atenção, se uma vírgula sair errada na máquina do cartão. Isso é suficiente para causar um prejuízo enorme para a empresa ou uma dor de cabeça para o cliente. 

Ao trabalhar com vendas no cartão, você também pode diminuir a inadimplência em seu estabelecimento ao aposentar de vez o carnê, cheque ou boleto.

Então, pode ser que valha a pena investir um pouquinho mais com o TEF, mas tendo a tranquilidade de não ter que lidar com outros tipos de prejuízo.

Qual a diferença entre a TEF e a máquina comum de cartão?

As máquinas de cartão possuem as chamadas bandeiras. Enquanto isso, o PinPad da TEF é multibandeira. Isso quer dizer que ele aceita as principais adquirentes e, com isso, existe uma liberdade maior para negociar as taxas do mercado.

As maquininhas podem funcionar com sinal de operadora ou outras ferramentas. Enquanto isso, o TEF precisa, obrigatoriamente da internet

Ele é um sistema seguro?

Sim! As plataformas do TEF interagem com o sistema de automação comercial das empresas, tornando os pagamentos fáceis e seguros.

Os programas novos eliminam as chances de erros na cobrança. Na máquina de cartão, por exemplo, pode ser que, por erro humano, seja digitado um valor diferente do que deveria ser cobrado. 

No TEF, os valores são introduzidos automaticamente, descartando as possibilidades de erros nas cobranças ou até mesmo de fraudes

Além disso, os softwares contam com um sistema de segurança que impede que pessoas não autorizadas tenham acesso aos dados de compra.

Dessa forma, o sistema TEF é seguro não só para o estabelecimento mas também para o cliente.

Quais as vantagens do TEF?

Além da segurança, a flexibilidade no pagamento é um dos principais atrativos. Ao aceitar todas as bandeiras, o TEF permite que mais clientes possam pagar com cartão. 

Isso também ajuda na redução de taxas, pois, com mais bandeiras, você pode tentar um preço mais competitivo e vantajoso.

O sistema da Transferência Eletrônica de Fundos melhora o controle sobre as vendas na medida em que disponibiliza as informações para os relatórios gerenciais. 

As informações podem ser acessadas pelo lojista de qualquer lugar. Essa possibilidade maior de acompanhamento ajuda, também, na tomada de decisão para novas estratégias.

Com os serviços automatizados, os erros manuais diminuem. Isso otimiza os processos e faz com que aumente a produtividade. É utilizar a tecnologia a seu favor!

Como é no seu estabelecimento? Você utiliza a tradicional maquininha de cartão? Depois de saber um pouco mais sobre o TEF, analise as opções e veja a que mais se adequa a sua realidade. E se você quer saber mais sobre a segurança das suas transações, leia também nosso artigo sobre chargeback.