Seja no campo pessoal ou profissional, fato é que ninguém chega a lugar algum sem definir ao menos um ponto de partida. No contexto empresarial, o plano de negócio é peça-chave para alcançar o sucesso.

Sem ele, fica difícil ter uma noção real do mercado e fazer previsões confiáveis para a abertura e o desenvolvimento de uma empresa.

Só por aí já dá para perceber a importância de contar com um plano de negócio, não é mesmo? É por isso que resolvemos preparar este artigo exclusivo sobre o tema. Nele abordaremos:

  • O que é um plano de negócio;
  • Por que sua empresa deve contar com esse documento;
  • Passo a passo para criar um plano de negócio;
  • Quem deve fazer o plano de negócio e qual é o melhor momento de criá-lo.

O que é um plano de negócio?

Plano de negócio é um documento de planejamento que descreve o seu negócio, os objetivos dele, além dos passos a serem dados para alcançar essas metas, minimizando riscos e incertezas.

Por meio do plano de negócio é possível demonstrar a viabilidade do seu empreendimento, levando em conta diversos aspectos, como:

  • O público-alvo potencial;
  • Os recursos necessários para que as operações do negócio aconteçam da melhor maneira possível;
  • O montante ideal para manter a empresa funcionando e ainda restar um capital de giro.

Em suma, podemos dizer que o plano de negócio é um roteiro em que estarão representados os caminhos a serem percorridos pela companhia, a fim de que ela se mantenha saudável e, mais que isso, seja bem-sucedida.

Um bom plano de negócio permite identificar e diminuir falhas, ainda no papel, que porventura pudessem prejudicar o seu negócio, em vez de ter que enfrentar esses contratempos na prática.

Mas atenção! O plano de negócio não deve ser um agrupamento de ideias e hipóteses. Ele tem de ser criado com base em análise de mercado, informações reais sobre o produto ou serviço que será comercializado e sobre possíveis fornecedores.

Pois o objetivo primordial do plano de negócio é auxiliar efetivamente no momento da abertura do seu empreendimento.

Por que sua empresa deve contar com um plano de negócio?

Se até aqui ficou a impressão de que o plano de negócio é importante apenas para empreendedores que estão começando, é importante deixar claro que usar esse documento é fundamental também para empresas em expansão.

Vale destacar que o plano de negócio não é capaz de eliminar eventuais riscos a que sua empresa poderá ficar exposta.

Porém, com esse planejamento, é possível evitar que erros sejam cometidos devido à falta de análise tanto do mercado como do próprio empreendimento.

Outras vantagens proporcionadas pelo plano de negócio são:

  • Previsão das necessidades técnicas da empresa para que ela apresente um bom funcionamento e uma boa posição no mercado;
  • Estimativa de investimento e retorno financeiro;
  • Criação de cenários favoráveis e desfavoráveis para avaliar com precisão a viabilidade do negócio;
  • Antecipação a possíveis gargalos — isso já é um passo rumo à resolução de problemas que a empresa provavelmente irá enfrentar; 
  • Com um plano de negócio bem-feito, é possível comparar o que foi previsto com o que foi/está sendo realizado e, dessa forma, identificar e corrigir erros;
  • Caso o seu negócio dependa de investimentos de terceiros, contar com um plano de negócio também é essencial.

Isso porque ele facilita a apresentação do seu empreendimento a potenciais investidores e, consequentemente, a captação do financiamento.

Agora que já sabemos a definição e a importância do plano de negócio, é chegado o momento de pôr a mão na massa e aprender a fazer um, não é mesmo? Confira o passo a passo abaixo!

Passo a passo para criar um plano de negócio

Para que o plano de negócio da sua empresa não seja mais um documento esquecido na gaveta, ele deve ser elaborado seguindo as etapas que iremos apresentar a seguir.

Crie um resumo executivo da sua empresa

Na primeira parte do plano de negócio é preciso resumir as informações mais importantes do seu (futuro) empreendimento. As principais delas são:

  • O ramo de atuação;
  • A descrição da empresa e o diferencial dela no mercado;
  • A missão do negócio, isto é, por que ele existe e qual é o seu propósito;
  • O perfil dos empreendedores e colaboradores;
  • Quais são os produtos e serviços que sua empresa oferece e o diferencial de cada um;
  • Quem é o público consumidor da sua marca; 
  • Onde é localizada a sua empresa (caso haja uma sede);
  • Quanto será investido no seu negócio;
  • A empresa será enquadrada em que categoria;
  • Qual será o regime tributário adotado pelo negócio.

A quantidade de itens que devem constar no sumário executivo pode assustar a princípio. Mas não se preocupe, pois esta parte do plano de negócio deve ser tão breve quanto clara.

Uma dica valiosa: apesar de o sumário executivo ser a primeira parte do plano de negócio, você deve escrevê-lo ao fim do planejamento.

Pois, por se tratar de uma espécie de resumo, você terá mais clareza a respeito do que deve ou não ser incluído nele somente após concluir o plano de negócio.

Faça uma análise de mercado

Analisar o mercado é uma das etapas mais importantes do plano de negócio da sua empresa.

Neste momento, é imprescindível saber quem são seus clientes, concorrentes e fornecedores, além dos produtos e serviços que sua marca irá oferecer.

Ao definir o público-alvo e como abordá-lo, é possível atingi-lo da melhor maneira possível, alcançando os objetivos do negócio. Afinal, sem clientes, não há razão para uma empresa existir.

Uma vez traçado o perfil dos seus (potenciais) clientes, é hora de pensar no posicionamento dos produtos e serviços que sua empresa irá oferecer. Nesse sentido, é importante questionar:

  • Qual é a impressão que eles vão causar no público, ou seja, como eles serão vistos pelo mercado?
  • Os produtos e serviços apresentam boa qualidade?
  • Eles oferecem um bom custo-benefício e alguma vantagem em relação à concorrência?

Bom, vamos avaliar os três pontos principais da análise de mercado, que são: o estudo do público-alvo e a avaliação da concorrência e dos fornecedores.

Estudo do público-alvo

Se a análise de mercado representa uma parte fundamental do plano de negócio da sua empresa, isso se deve principalmente ao estudo do público-alvo que está inserido nessa análise.

Afinal, como já dissemos aqui, sem clientes não há vendas (nem faturamento) e, portanto, a existência de um negócio deixa de fazer sentido, não é mesmo?

Os clientes é que vão consumir os produtos e serviços que sua marca oferece. Então, para chegar a eles, é preciso conhecer o perfil e os hábitos de compra desse público.

Algumas perguntas podem ajudar nesse processo:

  • Meus clientes são pessoas físicas ou jurídicas (empresas)?
  • Qual é a faixa etária, o grau de escolaridade, o gênero e o estado civil desse público?
  • Com que frequência eles costumam comprar o tipo de produto e serviço que minha marca oferece?
  • Onde eles geralmente fazem essas compras?
  • Por que eles compram esses produtos e serviços?

É importante relembrar neste momento que o plano de negócio não é um documento baseado em especulações, então, ele exige que pesquisas sejam realizadas.

Dessa forma, com relação ao estudo do público-alvo, é possível responder às perguntas mencionadas acima por meio de aplicação de questionários, entrevistas e até mesmo análise de concorrentes.

Avaliação da concorrência

Na elaboração de seu plano de negócio deve constar também uma análise aprofundada de empreendedores que atuam no mesmo ramo que você.

Pois, observando a concorrência, você poderá adquirir um bom conhecimento sobre o que fazer e o que não fazer.

Quando for analisar seus concorrentes, leve em conta as seguintes questões:

  • Quais são os preços (e as condições de pagamento) praticados pela concorrência?
  • Avaliando seus concorrentes, é possível dizer que resta alguma lacuna no segmento em que você atua (pretende atuar)?
  • Os produtos e serviços oferecidos pela concorrência são de qualidade?
  • Como é o atendimento oferecido pelos concorrentes?
  • Qual é o horário de funcionamento deles?
  • Eles disponibilizam serviço de delivery?
  • Por fim, uma pergunta fundamental: qual é o diferencial do seu negócio que fará com que os clientes comprem da sua marca e não da concorrência?

Como o plano de negócio deve ser bem realista, ao fazer avaliação da concorrência, considere também cenários desfavoráveis.

Por exemplo, diante da abertura da sua empresa, será que os concorrentes terão recursos financeiros para realizar promoções, apresentando vantagem competitiva em relação a sua marca? É uma possibilidade.

Análise de fornecedores

A última parte da análise de mercado do plano de negócio é o estudo de fornecedores.

São eles que irão suprir sua empresa com matérias-primas, equipamentos e outros bens necessários para o pleno funcionamento do negócio.

Para escolher o melhor fornecedor, faça buscas na Internet, em catálogos e em sindicatos.

Assim, é possível fazer comparações de preços e da qualidade dos itens comercializados por cada fornecedor e, aí sim, optar pelo que apresenta o melhor custo-benefício para o seu negócio.

Na dúvida sobre o melhor fornecedor para a sua empresa, leve em conta as seguintes questões:

  • Quais são os insumos necessários para o negócio?
  • Que fornecedores estão oferecendo os melhores preços e as melhores condições de pagamento?
  • Quais são as quantidades mínimas de pedido que esses fornecedores aceitam (é preciso verificar se elas estão de acordo com as demandas da sua empresa)?
  • Onde os fornecedores estão localizados e como acontece a logística das entregas das matérias-primas?
  • Qual é o prazo de entrega desses fornecedores?

Lembre-se de que, para a sua empresa não “ficar na mão” de apenas um fornecedor, tenha sempre um “plano B”, ou seja, o contato de outro(s) fornecedor(es).

Dessa forma, diminui o risco de o seu negócio ter o funcionamento comprometido devido à falta de insumos, por exemplo.

Outro item que não pode faltar no plano de negócio é um bom plano de marketing. Vamos falar sobre ele a seguir.

Elabore um plano de marketing

No seu plano de negócio não pode faltar um bom plano de marketing. Nele, devem constar todas as estratégias que irão promover a aceitação dos seus produtos ou serviços e, mais que isso, que irão alavancar as vendas na sua empresa.

Ao elaborar o plano de marketing da sua marca, busque responder às seguintes questões:

  • Quais produtos e serviços minha empresa oferece e como é possível descrevê-los?
  • Os preços praticados pela empresa estão de acordo com a qualidade dos itens comercializados?
  • Como a marca se destaca da concorrência?
  • Em que segmento a empresa está inserida?
  • Quais são os hábitos de consumo do meu público-alvo?
  • Como os produtos e serviços chegarão aos clientes?
  • As vendas serão feitas em loja física e/ou on-line?
  • Haverá serviço de delivery?

Um bom plano de marketing dará uma perspectiva de como serão as vendas na sua empresa e o que você pode fazer para aquecer o caixa do negócio.

Faça um plano operacional

O plano operacional, que também deve estar no plano de negócio, varia muito de empresa para empresa, porque ele depende dos produtos e serviços que ela oferece.

Porém, de maneira geral, podemos dizer que o plano operacional descreve a rotina do seu negócio.

Algumas informações essenciais devem constar no plano operacional:

  • Tempo necessário para a realização das vendas ou para a prestação de um serviço;
  • Quais materiais e equipamentos são necessários para manter a produtividade;
  • Quantos colaboradores compõem a equipe e quais são as habilidades deles;
  • Qual é a capacidade de estocagem e distribuição dos produtos;
  • Quem são os fornecedores e quais são os prazos que eles disponibilizam.

Desenvolva um plano financeiro

Este é um item extremamente importante, e na maioria das vezes trabalhoso, do plano de negócio.

Caso você não tenha habilidade com finanças, é interessante contar com a ajuda de um especialista para elaborar o plano financeiro da empresa.

Nele é preciso descrever tudo que envolva dinheiro. E isso abrange: gastos, investimentos e capital de giro principalmente.

Procure incluir as seguintes informações no seu plano financeiro:

  • Investimentos e despesas iniciais;
  • Bens que deverão ser comprados para que a empresa opere com o máximo potencial (equipamentos, mobília, utensílios etc.);
  • Capital de giro disponível;
  • Projeção de lucros e prejuízos para os próximos 12 meses (acompanhamento mensal) e três anos (acompanhamento trimestral).

Tendo uma estimativa de quanto será o investimento inicial do seu empreendimento, fica mais fácil saber se esse montante partirá de recursos próprios ou terceiros, como bancos.

Caso seja necessário recorrer a empréstimos, o plano de negócio será fundamental para apresentar a proposta da sua empresa a potenciais investidores.

Por fim, você deve avaliar o seu plano de negócio e refletir: considerando todas as variáveis reunidas aqui, vale mesmo a pena abrir o negócio? Se a resposta for sim, siga em frente com o seu sonho.

Quem deve fazer o plano de negócio e qual é o melhor momento de criá-lo

Você pretende abrir uma empresa e está em dúvida sobre quem deve criar o plano de negócio? Nesse caso, a resposta é “você mesmo”! É o que recomendam os especialistas.

Assim, você vai se familiarizando com os diferentes aspectos do seu (futuro) negócio, o que é muito importante para quando você for se encontrar com possíveis investidores.

Além do mais, sua participação na elaboração do plano de negócio vai permitir que você se antecipe aos desafios que irão aparecer pelo caminho e vá se preparando para enfrentá-los.

E quando um plano de negócio deve ser criado?

Uma pesquisa realizada pela Harvard Business Review mostrou que empreendedores que fizeram um plano de negócio entre seis e 12 meses após a abertura da empresa obtiveram mais êxito do que aqueles que criaram planejamentos muito antecipados ou de forma tardia.

Ao longo deste artigo, pudemos perceber como é importante fazer um plano de negócio. Sem ele, sua empresa fica mais exposta a riscos, como:

  • Falta de acompanhamento do real crescimento da empresa;
  • Maus investimentos;
  • Dificuldade de conseguir investidores e se posicionar no mercado;
  • Falência precoce do negócio.

Nossa abordagem sobre plano de negócio vai ficando por aqui, mas separamos um conteúdo de um tema pertinente: vantagens de usar um software de gestão na sua empresa. Aproveite a leitura e até a próxima!