Ownership: o que é e como despertar o sentimento de dono

Se procurarmos o significado de ownership no dicionário, iremos encontrar: propriedade, posse ou domínio. Ok, mas o que isso tem a ver com os colaboradores de uma empresa? Tudo!

Uma equipe com senso de ownership é aquela que age como se fosse dona do negócio.

Dessa forma, independentemente do nível hierárquico que cada colaborador ocupa na companhia, ele passa a desenvolver o próprio trabalho com muito mais envolvimento e ambição.

Quando a cultura ownership é incentivada no ambiente corporativo, a gestão melhora; a produtividade aumenta e o staff se sente muito mais motivado. E isso é só o começo.

Afinal, os ganhos trazidos pelo senso de ownership são muitos. Quer conhecê-los com mais profundidade e otimizar os resultados da sua organização? Então, continue por aí!

O que é  senso de ownership?

Ter senso de ownership é “vestir a camisa” da empresa, e não simplesmente cumprir as obrigações feito um robô.

Os colaboradores que seguem a ideia do ownership sabem perfeitamente que seu sucesso profissional – e, como consequência, o pessoal – é diretamente proporcional aos bons resultados da organização.

Vale destacar que a cultura ownership não quer dizer dar uma cota da empresa à equipe. Ownership está mais ligado a valores emocionais; a “sentimento de dono” mesmo, embora os incentivos financeiros estimulem a consolidação do ownership.

Basicamente, colaboradores que incorporam a ideia do ownership são:

  • Proativos, de forma a tomar medidas que solucionem eventuais problemas que interfiram no bom andamento das operações;
  • Sempre voltados para bons resultados;
  • Resilientes no sentido de mudar de posicionamento se necessário para atingir os objetivos do negócio;
  • Fiéis, ou seja, desenvolvem verdadeira estima pelo trabalho e não veem os colegas e gestores como adversários ou ameaças;
  • Bons ouvintes e bons comunicadores, pois tendem a desenvolver uma visão 360º da empresa, querendo sempre trocar ideias com seus pares de trabalho para melhorar o que for possível sempre;
  • Preocupados com a satisfação dos clientes;
  • Prestativos, buscando sempre as melhores soluções para algum gap que surgir ou uma dúvida ou ainda uma demanda inesperada.

O saldo desses atributos dos colaboradores com senso de ownership impacta diretamente a cultura da empresa.

Ela passa a contar com uma visão de futuro muito mais clara e, assim, as metas podem ser alcançadas mais facilmente.

Já imaginou toda a sua equipe trabalhando de acordo com um verdadeiro sentimento de dono? Parece um sonho, não é mesmo? Como todo sonho, ele pode se tornar realidade.

Para ajudá-lo nessa missão, no tópico seguinte, iremos mostrar como despertar o senso de ownership na sua equipe. Siga com a gente!

6 maneiras de despertar o sentimento de dono na sua equipe

Há uma frase de Gerhard Erich Boehme que diz: “Quando se tem uma meta, o que era obstáculo passa a ser uma das etapas do plano“.

Podemos relacionar essa máxima com a cultura ownership, porque um colaborador de uma empresa só irá desenvolver de fato o senso de ownership na medida em que enxergar um propósito nas atividades que desempenha.

Não adianta submeter o recurso humano da sua organização a trabalhos aleatórios e lhe exigir o senso de ownership. Lembre-se disso!

Portanto, o primeiro passo para disseminar a cultura ownership no seu negócio é incentivando a sua equipe.

1 – Dê o devido valor a seu staff

Estimular o seu time não significa transformar cada membro em workaholic, reforçando a ideia de que todos dão o sangue pela empresa, negligenciando muitas vezes a vida pessoal.

Dentro de uma companhia, o ownership deve ser visto como algo positivo.

O colaborador com senso de ownership precisa ter em mente que sua contribuição é valiosa para os resultados do negócio.

Para que aconteça de fato essa tomada de consciência, três medidas são fundamentais:

Podemos dizer que esse trio possui uma relação de dependência.

Por meio de recompensas financeiras como a Participação nos Lucros e Resultados – PLR, por exemplo, é possível demonstrar essa conexão.

Ora, se o aumento da receita do seu empreendimento impacta diretamente os vencimentos dos colaboradores, a satisfação deles com o trabalho (e, na mesma medida, o senso de ownership) tende a aumentar.

Como consequência, o relacionamento entre os membros da equipe acompanha essa proporção.

2 – Desperte a consciência corporativa nos colaboradores

A ideia de liderar pelo exemplo, destinada especialmente a pais e gestores, pode ajudar muito no processo de despertar o senso de ownership na sua equipe.

Afinal, de que adianta ostentar a missão, a visão e os valores do seu negócio se nem as lideranças colocam essas questões em prática?

Conscientemente ou não, colaboradores se inspiram em seus chefes. Dessa maneira, se eles respeitam as diretrizes da organização, o engajamento do staff poderá ser mais efetivo.

Ao tornar seu time mais comprometido, é importante também disponibilizar a ele, como contrapartida, uma abertura a novas ideias que possam melhorar os processos e resultados da empresa.

Essa receptividade estimula o intraempreendedorismo, ou seja, permite que o staff aplique iniciativas empreendedoras dentro da organização.

Sem dúvida, isso irá contribuir para um ambiente de trabalho mais leve e agradável, de forma que o colaborador se sinta mais à vontade, mais feliz  e mais integrado à cultura ownership durante o expediente.

3 – Invista em treinamentos

Investir em treinamentos é uma estratégia valiosa para colocar toda a equipe “na mesma página” com relação ao funcionamento da empresa.

Além disso, ao exigir que os recursos humanos ajam seguindo a cultura ownership, é imprescindível que, de antemão, eles tenham domínio das funções designadas a eles.

Mais uma vez, portanto, os treinamentos se mostram mais que necessários.

Promovê-los torna-se, então, uma medida importante para o desenvolvimento do senso de ownership na equipe.

4 – Estabeleça uma comunicação transparente

Manter um diálogo aberto com seu staff é uma maneira de aproximá-lo da cultura ownership.

Isso porque o time passa a se sentir inteirado dos rumos da empresa, além de estimado pelos gestores.

Na nossa vida pessoal ou profissional, quantas vezes a omissão de informações não nos soou como falta de consideração?

Então, leve isto sempre em conta: seja transparente com a sua equipe, a fim de que ela se sinta verdadeiramente importante para o negócio, com senso de ownership.

5 – Faça boas contratações

Em vez de só pensar em implantar a cultura ownership na sua empresa, que tal ficar atento aos processos de contratação para atrair profissionais que já ajam com sentimento de dono?

Nesse sentido, não avalie somente diplomas e certificações; analise se o perfil dos candidatos vai ao encontro dos propósitos da empresa.

Observe se os entrevistados atuam com rapidez, segurança, submetendo-os a situações que exijam habilidades de liderança.

 

6 – Ofereça feedback com frequência

Quem já trabalhou em corporação provavelmente já se questionou: será que fiz algo errado ao desenvolver determinada demanda? Será que o cliente ficou satisfeito com o serviço que lhe entreguei?

Para resolver esse tipo de insegurança e estimular o senso de ownership nos colaboradores, a política de feedback é uma boa saída.

Por meio dela, é possível potencializar ações que já vêm dando certo e alinhar estratégias malsucedidas.

Manter esse diálogo aberto entre gestor e equipe na certa contribuirá para a disseminação da cultura ownership.

Vale lembrar que, no processo de feedback, da mesma forma que o gestor tem a liberdade de mapear o desempenho do colaborador, este deve ter um espaço para dar sugestões de melhorias aos processos da empresa.

A seguir vamos dar provas da real importância de incentivar o senso de ownership em uma organização.

Por que a cultura ownership é tão importante para a empresa?

Se os colaboradores da sua companhia estão acostumados a desempenhar sempre os mesmos trabalhos e não demonstram interesse nos processos globais do negócio, é hora de mudar o mindset vigente.

Uma vez envolvidos pelo senso de ownership, os avanços operacionais, financeiros e relativos à gestão, por exemplo, logo começam a aparecer.

Isso porque um staff influenciado pela cultura ownership passa a executar suas tarefas com muito mais envolvimento, satisfação e sede de aperfeiçoamento contínuo.

A mistura desses ingredientes só pode resultar em algo positivo, como o aumento do senso de responsabilidade diante das tarefas desenvolvidas.

O clima organizacional também se transforma com o senso de ownership incutido na equipe, pois as diferenças hierárquicas diminuem na medida em que cada colaborador passa a ter mais autonomia para desempenhar suas funções.

Com a mentalidade ownership, diante de uma eventual ausência do gestor na empresa, a equipe consegue dar andamento aos trabalhos e resolver pendências inclusive com um cliente, por exemplo.

À medida que os resultados obtidos a partir de ações pautadas no senso de ownership vão aparecendo, os colaboradores se tornam mais autoconfiantes, preocupando-se cada vez mais com:

  • O melhoramento contínuo da própria performance;
  • A imagem da empresa;
  • A redução de custos;
  • O crescimento da receita.

Para finalizar este tópico, propomos uma reflexão: se o senso de ownership já vinha se tornando um requisito obrigatório em trabalhos presenciais, com o boom do home office provocado pela pandemia, é provável que a exigência do sentimento de dono se torne cada vez mais forte.

Afinal, o trabalho a distância exige que os envolvidos se comportem verdadeiramente como seus próprios gestores, não é mesmo?

No próximo tópico abordaremos a relação entre trabalho remoto e senso de ownership. Continue com a gente!

Trabalho remoto X senso de dono: entenda o valor dessa relação

Não dá para pensar em home office ou trabalho a distância sem levar em conta duas palavras: flexibilidade e responsabilidade.

Flexibilidade, porque o novo cenário de trabalho conta com variáveis novas:

  • Filhos em casa com tarefas escolares para fazer;
  • Bichinho de estimação querendo atenção;
  • Reuniões por videoconferência;
  • Ausência de alguém ao lado para cobrar e avaliar nosso trabalho em tempo real.

Com uma equipe espalhada geograficamente, os líderes, de repente, tiveram que confiar na autorresponsabilidade do seu staff.

Essa responsabilidade representa essencialmente o senso de ownership, na medida em que os colaboradores a utilizam para dar o melhor de si, mesmo que ninguém esteja vendo ou fazendo pressão.

Diante da necessidade de se trabalhar remotamente, é possível perceber que o real comprometimento com a profissão e a capacidade de ser resiliente têm se tornado tão importantes quanto as experiências acumuladas e o currículo acadêmico.

Ao refletir sobre o senso de ownership, lembre-se das vezes em que você superou dificuldades, sejam pessoais ou profissionais, e aumentou com isso sua resistência psicológica para lidar com adversidades.

Ainda com relação ao ownership, recapitule também os momentos em que foi preciso usar e abusar da autorresponsabilidade para concluir seus projetos com excelência.

Depois de abordar a essência da cultura ownership e os impactos dela nos negócios, é hora de mostrar algumas empresas famosas que disseminam o senso de ownership entre seus colaboradores.

Marcas que disseminam a cultura ownership

Em 2018, o Banco do Brasil transformou seus até então 98 mil funcionários em acionistas.

O presidente do BB da época, Paulo Caffarelli, afirmou que o objetivo primordial dessa iniciativa foi estimular o engajamento dos colaboradores.

Em entrevista concedida à VOCÊ/SA, Caffarelli disse também: “o nosso mote agora é: no Banco do Brasil você é atendido pelo dono”.

A instituição declarou ainda que, com o senso de ownership, a equipe terá mais condições de contribuir para o fortalecimento da empresa.

A gigante tecnológica Google também é adepta da cultura ownership.

Prova disso é que estimula seu staff a utilizar 20% do tempo na empresa pensando em algum tipo de inovação.

Posteriormente, as melhores ideias apresentadas entram em uma competição e são premiadas.

E aí os colaboradores escolhem como preferem receber a premiação: ganhando uma quantia em dinheiro ou uma promoção no cargo.

A ideia do Google Chrome surgiu desse incentivo e hoje o desenvolvedor do navegador ocupa um cargo significativo na companhia.

Fazendo um panorama da sua empresa, caro leitor, você consegue enxergar seu time vestindo a camisa; inserido na cultura ownership?

As vantagens trazidas pela disseminação do senso de ownership em um negócio, como pudemos ver ao longo deste artigo, são muitas.

Então, se o ownership ainda não é uma realidade em sua organização, é hora de virar o jogo. Não sabe por onde começar? Clique aqui e conheça algumas ferramentas de gestão que podem ajudar você na missão de despertar o sentimento de dono em sua equipe.