Você sabia que o Brasil é o segundo maior produtor de lixo eletrônico do continente americano, ficando atrás apenas dos EUA? E o descarte incorreto desses materiais pode trazer muitos danos ao meio ambiente e à saúde humana. A importância de se saber o que é logística reversa surge como um possível atenuante a essa questão.

Embora o conceito da logística reversa seja mais atual do que o de logística tradicional, o alcance do tema é cada vez maior.

Isso em função da crescente preocupação da sociedade e das empresas com o desenvolvimento sustentável.

Quer ficar por dentro do que é logística reversa? Então, siga com a gente, caro leitor. Confira abaixo os assuntos que serão abordados ao longo deste guia.

  • O que é logística reversa?
  • 5 etapas para colocar em prática a logística reversa;
  • Logística reversa e sustentabilidade: entenda essa relação;
  • Por que investir na logística reversa?
  • Marcas que adotam a logística reversa.

Preparado para desbravar o tema?

O que é logística reversa?

Para entendermos o que é logística reversa, vale a pena relembrar que a logística convencional se encarrega de enviar insumos e mercadorias aos consumidores em qualquer parte do mundo.

Por outro lado, a logística reversa, como o próprio nome sugere, faz o caminho inverso, isto é, o cliente é que retorna o produto à empresa.

Após esse retorno, cabe à companhia cuidar de resíduos — reaproveitando-os ou descartando-os corretamente — durante o pós-venda ou pós-consumo.

Isso porque existem produtos sabidamente prejudiciais ao meio ambiente e à própria população.

O lixo eletrônico, também chamado de e-lixo, é um deles, pois muitas vezes, contém chumbo, mercúrio e berílio, que podem causar contaminação do solo, da água, além de prejudicar a saúde de quem entrar em contato com eles sem a devida proteção.

Também cabe na definição de logística reversa qualquer processo ou administração que acontece após a venda de um produto.

No caso de este apresentar um defeito, por exemplo, o cliente retornará com ele à empresa. A companhia, então, deve encaminhá-lo ao fabricante para que ele teste, desmonte e repare o artigo defeituoso.

Caso seja impossível consertá-lo, o produto deve ser reciclado ou descartado corretamente. E o cliente, por sua vez, terá de ser ressarcido.

A ideia do que é logística reversa ganhou força com a Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e descreve essa estratégia.

Abaixo, vamos apresentar esse conceito, presente no Artigo 3º, item XII.

“Logística reversa: instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

Com esse decreto, fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes devem ter uma responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida de um produto.

Sendo assim, órgãos públicos e companhias privadas devem promover ações que reduzam o volume de resíduos sólidos e rejeitos, diminuindo, assim, os impactos na saúde humana e no meio ambiente.

É importante destacar que, dependendo do segmento em que sua empresa esteja inserida, implantar uma política de logística reversa é obrigatório.

Nesse sentido, quem fabrica (produz), importa, distribui e comercializa os seguintes produtos deve agir em conformidade com a lei.

  • Agrotóxicos;
  • Lixo hospitalar;
  • Pilhas e baterias;
  • Óleos lubrificantes e as respectivas embalagens;
  • Pneus;
  • Lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista;
  • Produtos eletroeletrônicos e seus componentes.

Se o seu empreendimento pertence a um desses setores, é necessário criar um plano para recolhimento de produtos e embalagens.

Isso pode ser feito a partir da disponibilização de pontos de coleta e por meio da parceria com cooperativas.

Ainda que você não atue nessas áreas, é interessante colocar no mercado produtos que possam ser reutilizados ou reciclados.

Afinal, os consumidores modernos dão cada vez mais valor a marcas que demonstram consciência ecológica.

Agora que já sabemos o que é logística reversa, vamos entender como colocá-la em prática?

5 etapas para colocar em prática a logística reversa

Para que a logística reversa funcione efetivamente, é necessário se atentar às seguintes etapas.

  1. Campanhas de conscientização

Uma etapa fundamental da logística reversa diz respeito às campanhas de conscientização sobre a importância do descarte correto (ou do reaproveitamento de partes) de determinados tipos de produtos.

Esses incentivos podem ser feitos nas próprias embalagens das mercadorias, em propagandas em pontos de venda, além de anúncios em rádios, TVs e Internet etc.

  1. Rotas de devolução de produtos

Ao fazer o planejamento da logística reversa, é importante considerar um aspecto fundamental da logística convencional: as rotas de entrega.

Neste momento, levando em conta obviamente o caminho inverso, ou seja, o retorno do cliente para a devolução (e o correto descarte) de produtos.

  1. Formação de parcerias

Firmar parcerias com ONGs e cooperativas pode agilizar a retirada de produtos na casa dos clientes, facilitando o reaproveitamento do que for reutilizável e/ou a melhor destinação de resíduos.

Além disso, com essa colaboração, a responsabilidade por descartar ou reaproveitar os materiais passa a ser da organização associada.

De quebra, dependendo do produto doado, a doação pode ser um incentivo fiscal para o empreendimento.

  1. Política de devolução

Para que a logística reversa funcione efetivamente, o consumidor precisa ser orientado corretamente sobre o descarte dos produtos.

Então, a criação de uma política de devolução mostra-se imprescindível, pois facilita prazos e condições para que o público saiba o que realmente fazer com materiais descartáveis.

  1. Disponibilidade de um SAC

Dentro da política de logística reversa, é fundamental incluir um SAC capaz de instruir os consumidores sobre o correto descarte e a devolução de produtos.

O ideal é que esse serviço seja oferecido via atendimento multicanal, pois muitos clientes preferem contactar as empresas através de ferramentas mais confortáveis para eles: WhatsApp, e-mail e redes sociais.

Assim, o cliente provavelmente se sentirá satisfeito e a eficácia do processo será garantida.

Até este ponto do artigo, vimos o que é logística reversa e as etapas para colocá-la em prática. A partir de agora, falaremos sobre sua relação com a sustentabilidade.

Logística reversa e sustentabilidade: entenda essa relação

Quando entendemos o que é logística reversa, automaticamente fazemos uma associação dessa estratégia com a sustentabilidade.

Isso porque esse tipo de logística é pensado justamente para poupar o meio ambiente dos danos causados especialmente pela indústria de bens de consumo.

Por outro lado, a ideia da logística reversa beneficia a produção industrial, na medida em que um produto pode sair da fábrica de uma forma, retornar e virar uma nova mercadoria (remanufatura).

Ou seja, reinserindo os materiais no ciclo produtivo e transformando-os em matérias-primas, é possível criar novos produtos com o “DNA” antigo.

Companhias que fabricam pneus geralmente colocam em prática essa sequência de ações. Tudo começa quando elas recebem de volta seus produtos já usados.

Os consumidores, depois de usarem os pneus respeitando a vida útil deles, devem encaminhá-los a postos de coleta específicos — que inclusive podem ser instalados no estabelecimento onde foram comprados.

Dali eles serão retirados pelo fabricante, que irá submeter esses pneus a alguns procedimentos, utilizando-o em seguida na linha de produção de pneus novos ou outros itens.

Esse ciclo favorece o meio ambiente, porque reduz a quantidade de materiais descartados, evitando a contaminação do solo, de rios, oceanos, florestas e da atmosfera, proporcionando mais bem-estar à comunidade e diminuindo a exploração de recursos naturais.

Dentre os principais produtos que podem ser reaproveitados no processo de logística reversa, destacamos:

  • Pneus de carros, motos e bicicletas;
  • Embalagens e resíduos de agrotóxicos;
  • Baterias de automóveis elétricos e híbridos;
  • Medicamentos vencidos;
  • Eletrodomésticos;
  • Equipamentos eletrônicos e de informática.

Neste ponto do artigo, já estamos mais conscientes do que é logística reversa, não é mesmo? No próximo tópico, iremos reforçar a importância de investir nessa estratégia.

Por que investir na logística reversa?

Como pudemos perceber até aqui, a logística reversa tem impacto direto na preservação do meio ambiente e no bem-estar da sociedade.

Mas esses não são os únicos benefícios proporcionados pela adoção dessa estratégia. Continue nos acompanhando para conhecer outras vantagens que ela traz, inclusive para as próprias empresas.

Cumprimento da lei

O ciclo de vida do produto, mesmo após a venda e o consumo, deve ser uma responsabilidade compartilhada com o cliente e está prevista na Lei nº 12.305, já citada aqui.

Assim, quem segue essa forma reversa está automaticamente cumprindo um regulamento que determina o recolhimento de produtos que podem agredir o ecossistema.

Redução de custos operacionais

Uma das principais vantagens da logística reversa é que, por meio dela, sua empresa pode economizar significativamente nos custos envolvidos nos processos produtivos.

Isso porque é possível estabelecer uma política voltada ao reaproveitamento de matéria-prima para o desenvolvimento de novos produtos, o que diminui bastante o custo de produção.

Melhoria do processo produtivo

O alcance da logística reversa não diz respeito somente ao pós-venda (ou pós-consumo). O recolhimento de produtos com defeito, por exemplo, também cabe no conceito dessa estratégia.

À medida que você acompanha o volume de produtos devolvidos devido a imperfeição, insatisfação do cliente ou falhas na gestão do estoque ou transporte, é possível identificar oportunidades de melhorias.

Assim, cria-se uma gestão de qualidade cujo foco principal é o constante melhoramento de processos. Como consequência, entregas cada vez mais encantadoras são feitas aos clientes.

Boa imagem empresarial

Em relação à concorrência, a logística reversa promove um grande diferencial competitivo na empresa.

Isso porque (potenciais) clientes estão cada vez mais atentos ao comportamento ecologicamente correto das marcas.

Dessa forma, ao adotar uma postura engajada na sustentabilidade, seu negócio vai passar uma boa impressão a leads e ao público consumidor da sua marca.

Vale destacar que qualquer empresa — não importa o tamanho nem o ramo de atuação — pode aderir à logística reversa.

Aumento da lucratividade

A economia brasileira perde todos os anos cerca de R$ 120 bilhões em produtos que poderiam ser reciclados, mas vão parar no lixo, causando danos ao meio ambiente.

Esse número reforça a necessidade da adoção da logística reversa nas empresas para não só melhorar o ciclo de produção como também aquecer o caixa, conforme os produtos vão sendo devolvidos ao fluxo do negócio.

Marcas que adotam a logística reversa

Várias empresas ultrapassaram o simples entendimento do que é logística reversa e vêm colocando esse processo em prática.

Vamos conhecer algumas dessas marcas?

Bridgestone

Com sede em Tóquio, a Bridgestone é a maior fabricante mundial de pneus e, pensando no descarte adequado e consciente de seus produtos, ela age em prol da sustentabilidade.

A marca possui vários programas de proteção ambiental em suas fábricas, realizando a coleta seletiva e a destinação responsável de seus resíduos.

Os pneus recolhidos são direcionados para empresas de trituragem e picotagem pré-cadastradas. E os fragmentos são reutilizados de diversas maneiras, sendo as principais delas:

  • Matéria-prima para confecção de pisos e blocos, substituindo a brita;
  • Confecção de solados de sapatos;
  • Combustível alternativo em fábricas de cimento;
  • Borracha para vedação e peças de reposição para indústria automobilística.

Natura

A Natura lançou um programa de logística reversa em suas lojas. Devolvendo cinco embalagens vazias das marcas do grupo, os clientes recebem um novo produto.

A iniciativa é fruto de uma parceria com a TerraCycle, empresa especializada em soluções de reciclagem.

Por ora, o recolhimento desses materiais não gera receita para a gigante de cosméticos.

A TerraCycle, contratada pela Natura, ficará responsável por todo o processo de reutilização das embalagens, transformando-as em:

  • Vasos de plantas;
  • Cones de trânsito;
  • Caixas para legumes e verduras;
  • Outros utensílios.

Vivo

Consciente de seu compromisso com o meio ambiente, em apenas um ano (2018), a Vivo reciclou 2,7 milhões de itens eletrônicos, o que corresponde a mil toneladas.

Um dos destaques da prática da logística reversa na companhia é o programa Recicle com a Vivo.

Por meio dele, a empresa oferece a clientes (e não clientes) a coleta e o encaminhamento de celulares, carregadores e baterias que estão sem uso.

Somente em 2018, os coletores da Recicle com a Vivo receberam cinco toneladas de equipamentos, o equivalente a 76, 6 mil itens.

AM3 Soluções

Alinhado com o propósito de desenvolver pessoas, nós da AM3 Soluções realizamos a coleta de equipamentos de informática de nossos clientes.

Com os materias coletados montamos computadores que são doados as comunidades carentes. Já os resíodos não aproveitados são enviados para empresas especializadas em reciclagem.

São em média, por ano,  uma tonelada e meia de equipamentos eletrônicos que deixam de ir para o lixo comum.

Com esses números, vamos finalizando nosso artigo, pessoal. Nele exploramos o que é logística reversa, como colocá-la em prática e outros desdobramentos do tema.Não dá para pensar no que é logística reversa sem falar em responsabilidade social empresarial. Então, preparamos um conteúdo supercompleto sobre o tema. Até a próxima.