Atuo em uma área onde a palavra mudança é uma constante inevitável em todos os projetos.

Costumo dizer nas reuniões iniciais que somos agentes do caos, que traremos em um primeiro momento muito desconforto e momentos de estresse. Mas sempre termino dizendo que ao final todos estaremos juntos, rindo das situações que passamos e prevendo as grandes realizações para o futuro. Nunca menti. E tudo que sempre digo se torna realidade.

Aprendi com o tempo que, quando o assunto é mudança precisamos ser o mais sincero possível. De nada adianta criar fantasias para nossos liderados e esperar que eles não se tranquem dentro de uma bolha ao primeiro sinal de estresse.

É preciso prevenir de que as coisas sairão dos eixos, de que ficarão difíceis e que nos estressaremos muito. Mas devemos lembrá-los de que isso é passageiro, e que após a tempestade o sol brilha mais forte.

Mas somente sinceridade não ajuda. É preciso também transparência. Mostrar o que deverá ser feito e os resultados que se pretende atingir. Isso ajuda a eliminar pensamentos negativos.

A imaginação é uma faca de dois gumes. Pessoas que não sabem o que o futuro reserva, podem sonhar com fantasias que não se realizarão e ficarem frustradas. Ou podem ter pesadelos, e criarem uma barreira por simples medo do desconhecido.

Ouvir a opinião dos funcionários sobre o processo de mudanças organizacionais também é uma arma para ganhar a confiança e evitar resistências.

Já participei de projetos onde as mudanças foram impostas sem ao menos ouvir os envolvidos. O resultado foi péssimo. As pessoas envolvidas no processo sempre têm um ponto de vista que pode auxiliar na tomada de decisões.

As vezes podem estar vendo problemas que não são vistos de fora, ou podem ter uma solução mais eficiente do que a que está prestes a ser implantada – ou você nunca ouviu a história dos funcionários que trocaram uma máquina de 50 mil por um ventilador na linha de produção de pastas de dentes?

O último ponto que coloco aqui como essencial é a postura do líder em relação ao processo de mudança e sua equipe. Colaboradores sentem quando seu líder está inseguro. E a insegurança é um sentimento terrível para uma organização que está passando por um processo de mudança.

Por isso, seja sincero com sua equipe, dê total transparência para o que o projeto irá trazer e os benefícios que se espera. Escute sua equipe e peça a opinião deles sobre o assunto e por fim, tenha a postura de um líder, não de um chefe.

Como controlar o giro de estoque